Pular para o conteúdo principal

Vou morrer cedo (onde repousa a minha poesia)

Vou morrer cedo. Isso eu vou! porque não ouvi os conselhos do Raul, quando dizia o porque de não querer ser prefeito. Eu não quis ser prefeito, antes até, pretendi ser perfeito, mas, a perfeição não existe na humanidade.

Eu choro quando meus amigos falam da saudade que sentem de mim. Quatro anos se passaram e ainda me sinto presente. Enquanto aqui sou o estrangeiro, la era o filho da terra, la eu era semente. La eu conseguia manter meus amigos lúcidos e de olhos abertos para não se deixarem enganar pela futilidade das mentiras (cortinas de fumaça) das emissoras de tv. A gente via juntos além dos megapixels!

Hoje as manhas são foggy. Finalmente compreendo o medo que a realeza tem do povo. Eu também teria, sobretudo, quando o povo chega tao perto da realeza. O mundo esta em caos, aviões explodindo em toda parte, porque hoje a guerra é de opiniões. Caem as naves, descem as cortinas, é tao foggy que virou fumaça. E todo mundo anda cego.

Eu ando tao são, que o mundo me acha louco. Não, gente, eu não to louco! Eu só caí da caixa! Aqui fora faz frio e tem uma mística natural soprando no ar. Ouço trombetas, sim, trombetas de mil megatons. E tocam tao alto e tao dentro do meu ouvido, que a música pode me fazer compreender o compasso em que anda o mundo.

Eu pensava que para escrever era preciso inspiração. Não é! É preciso dor, para poder pulsar e também para poder sentir. Na dor forjamos a luta e nela nos moldamos. Não importa de que país você é cidadão, quando no fim das contas estamos todos dentro da fronteira da humanidade. A minha teimosia é igual à sua. Juntos seremos os maiores teimosos do mundo. Separados também.

Pare de derrubar aviões. Não servem para nada. Não comovem ninguém, exceto os relativos. São efeitos colaterais, antiácidos para digerir "o indigesto". Ha que se lembrar que para cada pergunta existe ao menos uma resposta e que o universo conspira. De forma geral, conspira à favor.

Eu vou morrer cedo, porque mesmo que eu dure 90 anos, vou morrer cedo! Mesmo que eu dure uma eternidade, vou morrer cedo! Porque é de manhã cedinho que o café é mais gostoso. É de manhã cedinho que o sol nasce amarelinho e que o céu é azulzinho. E sabe o que é mesmo ruim? Saber que você não tem a menor noção de onde repousa esta minha poesia. 😉


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bon apetit!

Caro Sr. Presidente,
Me reservei o direito de lhe falar na forma apropriada, na esperança de que assim eu possa fazer-me entender sem ruídos nem diferenças idiosicráticas que impeçam a boa leitura e compreensão dos termos que aqui expresso. Primeiramente, me vejo na obrigação de dizer que falo por mim, pleno em meus princípios e que espero que esta mensagem seja interpretada apenas como um gesto de profundo respeito e do desejo de, por autoridade tão elevada, me fazer entender.
Compreendo que a cultura na qual nós somos imersos ou crescemos tem um papel fundamental em moldar nossos discursos e até nossos princípios, contudo, não posso deixar de me preocupar quando percebo que tão nobre e sagrada função como esta de se ser Presidente possa estar imersa no que representa o contrário de todos os valores morais nos quais crescemos e nos desenvolvemos. Eu não posso enxergar no Senhor, Presidente, um homem espúrio e desprovido de princípios sob a pena de fazer escorrer completamente a autor…

Só de ver os seus olhos...

Eu sou, definitivamente, o homem mais feliz ao ver os seus olhos.
O seu sorriso me encanta mais do que qualquer fortuna que a vida tenha me ofertado.
Eu quero só essa sensação de bem estar, de passar horas navegando por toda parte, parado na mesma fotografia.
Quando a vida for boa, eu terei vc por perto, só pra olhar nos olhos e enxergar as cores que não existem.
Ter na memória todas aquelas músicas e melodias que ja não se fazem mais.
Relembrar as memórias da pele.
Quando a vida for boa.


Os fugitivos do calvário.

Sozinho se nasce, se morre, "sozinho" também se ressuscita. As famílias se reúnem para celebrar o "renascimento" daquele que partiu sozinho para buscar o perdão aos pecados do próximo. O perdão aos pecados dos "não pecadores" e o perdão do próprio pecado encarnado na esperança de uma raça humana guiada por "valores" que como num balé cíclico, se deturpam e instrumentalizam nas mãos dos próprios "algozes", "crucificadores". As cruzes foram postas, mas, os "covardes" fugiram do calvário. Esconderam-se nas casas do povo e viram no "ofício de fazer cruzes" uma forma de lucrar com os próprios pecados. É isto, está revelado, os senhores não dominam a economia, nem a política, os senhores dominam as "oficinas de cruzes". Dominam os corredores sujos dos "matadouros", mas o gado que executam são seus "semelhantes" desesperados pela dor e desespero que os impõem vós, "fugitivos do …