Pular para o conteúdo principal

Das coisas que já fiz.

Das letras já falei mil vezes
dizendo tanto do que sentia
que gastei um latim profano
tratando de amores
muitas vezes vis.

Das belas já amei mil vezes
gozando tanto do que sentia
que gastei em mim um amor humano
tratando deshumanos
como amores servis.

Das feras já enfrentei mil vezes
com tanta coragem e valentia
que afrontava o poder humano
tratando bravos guerreiros
como camélias sutis.

Da vida já me esparramei mil vezes
com tanta paixão e ousadia
que afrontava a valores mundanos
tornando enesquecivel
um mero momento feliz.

Postagens mais visitadas deste blog

Bon apetit!

Caro Sr. Presidente,
Me reservei o direito de lhe falar na forma apropriada, na esperança de que assim eu possa fazer-me entender sem ruídos nem diferenças idiosicráticas que impeçam a boa leitura e compreensão dos termos que aqui expresso. Primeiramente, me vejo na obrigação de dizer que falo por mim, pleno em meus princípios e que espero que esta mensagem seja interpretada apenas como um gesto de profundo respeito e do desejo de, por autoridade tão elevada, me fazer entender.
Compreendo que a cultura na qual nós somos imersos ou crescemos tem um papel fundamental em moldar nossos discursos e até nossos princípios, contudo, não posso deixar de me preocupar quando percebo que tão nobre e sagrada função como esta de se ser Presidente possa estar imersa no que representa o contrário de todos os valores morais nos quais crescemos e nos desenvolvemos. Eu não posso enxergar no Senhor, Presidente, um homem espúrio e desprovido de princípios sob a pena de fazer escorrer completamente a autor…

V. Exa.

Soubesse eu que andavas por aqui e usaria as devidas reverências.

Só de ver os seus olhos...

Eu sou, definitivamente, o homem mais feliz ao ver os seus olhos.
O seu sorriso me encanta mais do que qualquer fortuna que a vida tenha me ofertado.
Eu quero só essa sensação de bem estar, de passar horas navegando por toda parte, parado na mesma fotografia.
Quando a vida for boa, eu terei vc por perto, só pra olhar nos olhos e enxergar as cores que não existem.
Ter na memória todas aquelas músicas e melodias que ja não se fazem mais.
Relembrar as memórias da pele.
Quando a vida for boa.