Pular para o conteúdo principal
Não é certo, que por desespero, tentem omitir o meu amor! Não é certo!

Pois bem, sabendo disso, irei às últimas consequências, para em vida, firmar o que de bom grado, acordamos, eu e Deus: Serei sim uma referência de amor incondicional, e farei tudo que estiver ao meu alcance, para enquanto Santo, afirmar isto.

Corra atrás de tuas migalhas, pobre amigo, pois é delas que sacias tua fome. Deixe que me saborei livremente do meu banquete de amor. Se for capaz, tente, por apenas um segundo dizer que não trata da mais fina e verdadeira realidade, este amor e esta relação, que é tão grande, tão próxima, tão afinada, que expõe o quão de fato é regida por Deus.

Sei que minha "Pequena Fé" já tem hoje uma compreensão muito maior do que é de fato a realidade e esta compreensão irá crescer e se afirmar cada vez mais e mais. Acredito que por isso, minha "Pequena Fé" insista tanto em prorrogar o retorno e afirme tanto que prefere a mim, Santo, que a tu, desonra, desatenção, egoísmo e mentira.

Lamento, pobre amigo, mas só sobraram as migalhas para ti. Podes levar uma vida miserável, se alimentando delas, e pagando a conta, hora tão cara, de tentar desmerecer este imenso amor. Agora, pobre amigo, uma nobre sugestão: Não afirmes em vão o que tu não és capaz de fazer, pois serás levado a engolir, cada uma destas tuas palavras vis.

E não te esqueças, do meu nobre conselho. Tenhas cuidado com minha "Pequena Fé". Ela é pequena e dócil, e muito, muito sutil. Mas pode se tornar ira, se apenas uma vez, ela desacreditar de ti. Não queiras provar o preço do pecado, e o castigo dos Santos.

Eu, no que me cabe dizer, fico apenas com as palavras doces e a certeza de que a vida ainda me trará muitos e muitos presentes. Diria oferendas, provenientes desta minha santidade, que, enquanto santo, não é passível de descrença.

Vai, minha "Pequena Fé", encontra o teu caminho, uma vez que, já conheces a estrada. Trilha por este tortuoso tormento de egoísmo, desafeto e desonra. Mas leva consigo uma certeza: a estrada existe, e há sim, um caminho de verdade, ética e moral. Este caminho é teu e estará sempre aberto e disponível, coberto por tijolos de ouro. Basta uma pequena intenção tua. Basta ser sincero e desejar profundo, que não haverá Santo que não faça tuas preces acontecerem.

Agora, sê paciente, tenha sempre muita fé, minha pequena, que acharás com segurança o caminho de volta. Quanto a mim, só posso te prometer uma coisa: Será mais breve do que imaginas.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bon apetit!

Caro Sr. Presidente,
Me reservei o direito de lhe falar na forma apropriada, na esperança de que assim eu possa fazer-me entender sem ruídos nem diferenças idiosicráticas que impeçam a boa leitura e compreensão dos termos que aqui expresso. Primeiramente, me vejo na obrigação de dizer que falo por mim, pleno em meus princípios e que espero que esta mensagem seja interpretada apenas como um gesto de profundo respeito e do desejo de, por autoridade tão elevada, me fazer entender.
Compreendo que a cultura na qual nós somos imersos ou crescemos tem um papel fundamental em moldar nossos discursos e até nossos princípios, contudo, não posso deixar de me preocupar quando percebo que tão nobre e sagrada função como esta de se ser Presidente possa estar imersa no que representa o contrário de todos os valores morais nos quais crescemos e nos desenvolvemos. Eu não posso enxergar no Senhor, Presidente, um homem espúrio e desprovido de princípios sob a pena de fazer escorrer completamente a autor…

Só de ver os seus olhos...

Eu sou, definitivamente, o homem mais feliz ao ver os seus olhos.
O seu sorriso me encanta mais do que qualquer fortuna que a vida tenha me ofertado.
Eu quero só essa sensação de bem estar, de passar horas navegando por toda parte, parado na mesma fotografia.
Quando a vida for boa, eu terei vc por perto, só pra olhar nos olhos e enxergar as cores que não existem.
Ter na memória todas aquelas músicas e melodias que ja não se fazem mais.
Relembrar as memórias da pele.
Quando a vida for boa.


Os fugitivos do calvário.

Sozinho se nasce, se morre, "sozinho" também se ressuscita. As famílias se reúnem para celebrar o "renascimento" daquele que partiu sozinho para buscar o perdão aos pecados do próximo. O perdão aos pecados dos "não pecadores" e o perdão do próprio pecado encarnado na esperança de uma raça humana guiada por "valores" que como num balé cíclico, se deturpam e instrumentalizam nas mãos dos próprios "algozes", "crucificadores". As cruzes foram postas, mas, os "covardes" fugiram do calvário. Esconderam-se nas casas do povo e viram no "ofício de fazer cruzes" uma forma de lucrar com os próprios pecados. É isto, está revelado, os senhores não dominam a economia, nem a política, os senhores dominam as "oficinas de cruzes". Dominam os corredores sujos dos "matadouros", mas o gado que executam são seus "semelhantes" desesperados pela dor e desespero que os impõem vós, "fugitivos do …