Tenho percebido que por mais que eu tente controlar a minha natureza ela sempre me excede e extravasa. Sou um bicho com sigulares atitudes. Coisas que são boas se superam sempre e as ruins, acabam às vezes me superando. Não posso negar a minha natureza competitiva. Mas admito ter uma força descomunal guardada dentro de mim.
Meus amigos me julgam inteligente e como eles, me julgo também, mesmo sabendo que muitas e muitas vezes cometo burradas homéricas. Sei que isso é natural para o constante amadurecimento humano, mas confesso que exagero quando o assunto é meter os pés pelas mão.
Ta bom, só to mesmo assumindo a minha enorme codinção humana, passivel de erros incalculáveis e acertos extravagantes. To na fase dos acertos, mas quantos erros ainda vou cometer para ter certeza que acertei? E mais, qual a medida do certo e do errado? Certo é que: ha pessoas e pessoas, e muitas vezes me surpreendo tanto com algumas que fico perplexo.
O que eu busco mesmo é o equilibrio entre o desejo e a vontade. Quero o que me quer. E quero querer o que me quer também. Pretendo encontrar em tudo o perfeito equilíbrio entre o sentimento e a vontade. E quero isso de vontade própria. É isso que nos faz interesante. Saber o que exatamente estamos buscando.

Comentários

As mais lidas.

Eu vou contar! - Je raconte à tout le monde!

Um carta de noel.