De repente pisou o meu chão
E pôs por terra tudo que não havia ainda
E te vi minha como outrora desejei, desejou e não foi
E foi preciso tanta distancia pra nos unir outra vez
Só que desta vez o espaço não deixou.

Ainda que não tenha ido embora ainda
de antemão já posso te ver partir
E eu que nunca imaginei ser teu de novo
Me perdi pra você
Te vi perdida pra mim
Dividindo o meu espaço, o meu sono

Dividindo-me em dois lugares outra vez
Procurando me encaixar aqui e ali
Dentro das minhas próprias idéias
Vi duas vidas que sempre fizeram parte de uma
Uma vida que se divide em duas partes

Ainda que sempre ausente
A partir de agora será mais ausente
Mais distante
E te verei sempre pronta pra dormir

Ficarei sempre a me perguntar
Quantos carnavais ainda faltam,
quantos ainda restam

Se toda folia for sempre essa paz interior
Então quero que a vida se torne uma festa
Aonde nunca haja uma quarta-feira de cinzas.

Comentários

As mais lidas.

Eu vou contar! - Je raconte à tout le monde!

Um carta de noel.